Fundador

PADRE VICENTEPadre Vicente nasceu na cidade de Alto Rio Doce, zona da mata, no dia 7 de dezembro de 1933, filho de José Jacob Lourenço, conhecido pelo nome de José Lourenço Jacob e de Alexina Marcolina de Jesus, família rural católica, pobre, humilde e temerosa a Deus.

Desde muito cedo, sentiu-se impelido a ser sacerdote, de índole muito equilibrada e fraterna, tornou Padre pela Congregação da Pequena Obra da Divina Providência, também conhecida como Filhos da Divina Providência, fundada em 1899 por São Luís Orione, tornando-se orionita com o lema do Santo Fundador: “Renovar tudo em Cristo”.

Chegou a Ouro Branco em janeiro de 1970, como vigário da Matriz de Santo Antônio, única na cidade, sucedendo-se ao amigo Padre Pedro Lopes de Oliveira que tinha exercido a titularidade nos anos de 1967, 1969.

Padre Vicente era autêntico servo de Deus, devoto de Nossa Senhora digno, fiel, piedoso e intelectualmente preparado, adotou Ouro Branco como sua segunda Terra natal, vivendo aqui durante longos e proveitosos 41 anos, mais da metade de sua existência terrena.

Ao chegar foi levado as comunidades rurais onde havia celebrações mensais, com a participação fervorosa dos fieis que ali residiam.

O peso da responsabilidade de honrar a Igreja Católica, a fraternidade cristã e a evangelização, um dever fundamental do povo de Deus que ele cumpriu honradamente com dignidade e tolerância.

No dia 1º de fevereiro de 1970, no Ginásio e depois Escola Estadual “João XXIII” começou lecionar as disciplinas Ensino Religioso, História, Educação Moral e Cívica e Francês, no antigo Curso Ginasial e depois Ensino Fundamental.

Com a criação do Colégio Municipal João XXIII, no ano de 1971, lecionou Filosofia da Educação, Moral e Cívica e OSPB e Ensino Religioso no Curso Colegial Normal, formando mestres na arte de ensinar e educar para valer.

Na campanha para implantação da Açominas em Ouro Branco foi mentor e batalhador brilhante do movimento para o engrandecimento de Ouro Branco que se efetivou em 18 de fevereiro de 1976.

Responsável pelas obras paroquiais do município, nessa qualidade honrosa, efetivou doações de terrenos nos Bairros da Siderurgia, Pioneiros e Primeiro de Maio, para que neles fossem construídas as Igrejas das Paróquias do Divino Espirito Santo, Sagrada Família e São José Operário, cujas estruturas ele orgulhosamente outorgou.

Sua maior obra em favor da cidade e da Igreja, e origem e a construção do Colégio Arquidiocesano em 19 de maio de1988, a Municipalidade de Ouro Branco doou à Arquidiocese de Mariana o imóvel urbano.

Este terreno foi doando com a finalidade de construir o Colégio Arquidiocesano.

A cerimonia festiva da doação aconteceu após a missa das 19 horas, na Igreja do Divino Espírito Santo, da qual era pároco.

Humilde, generoso, educador, tolerante, amigo, confessor, homem de Deus e voltado integralmente para a comunidade e fé Católica. Suas mensagens permanecem vivas e jamais morrerão.

As lições que nos legou continuam ecoando com força eloquente, levando-nos à reflexão, pedindo que renovemos nosso compromisso com a Igreja que os desafios atuais nos colocam a toda prova.

Padre Vicente deixou-nos um exemplo a seguir: “No dia em que nos, convencermos que só em Deus encontraremos nossa Total e completa, a plena realização do nosso ser; e que só encontramos a Deus de fato se nos libertamos de tudo o que se coloca como obstáculo entre nós e Ele, a matéria, Ele que é puro Espírito, aí não teremos mais medo de morrer.” (Pe. Vicente Lourenço Jacob).

 

Este slideshow necessita de JavaScript.